Últimas Notícias

Informação ao doente

doente

Caso Clínico A

Prémio outubro 2018

Caso Clínico B

Prémio novembro 2018

A Sua Opinião

Que valoriza mais na Reunião Anual do NGHD?
 
Caso Clínico
Caso Clínico de junho de 2018
Winnerpicture O vencedor é:

Rui Mendo - Lisboa

Tiago Leal, Bruno Arroja, Raquel Gonçalves

 Serviço de Gastrenterologia - Hospital de Braga

 

Doente de 51 anos. Antecedente de HIV em estadio SIDA (CD4 254 / Carga viral ND), medicado com antirretrovirais (LVT, Truvada, DRV).

Recorreu ao nosso Hospital por dor abdominal com início nesse dia, associada a rectorragias abundantes. A dor, inicialmente nos quadrantes inferiores, evoluiu para abdómen difusamente doloroso. Negava náuseas ou vómitos. Durante a observação no SU fez pico febril 38.3ºC e teve 1 episódio de vómito. Sem outras queixas. Sem toma recente de medicação além da habitual. Sem internamentos recentes.

Apresentava-se Consciênte, oriantado e colaborante. TA 142/61mmHg, FC 89bpm, SpO2 98%(aa). Abdómen doloroso à palpação, de predomínio nos quadrantes esquerdos, com esboço de defesa.

Analises - Hb 14.5 g/dl, Leucócitos 17 000, Plaq 248 000, Coagulação N.

Realizou EDB: Colonoscopia com progressão aparentemente até ao transverso. Interrompido por fezes abundantes. Sangue vivo em todo o trajecto (doente fez preparação retrógrada com clisteres). Aos 30 cm da margem anal observou-se úlcera de grandes dimensões que ocupava metade da circunferência luminal com 20x50 mm com fundo necrótico e coágulo fresco aderente - realizadas biópsias.

Caso 18 06 Figura1Caso 18 06 Figura2

                               Caso 18 06 Figura3

 

Qual a hipótese de diagnóstico mais provável?
A resposta certa é:Úlcera isquémica

Utilizadores com resposta certa:

Rui Mendo - Lisboa
Gonçalo Alexandrino - Amadora
Cristiana Sequeira - Setúbal
Mariana Coelho - Lisboa





Site criado por www.web2business.pt