Caso Clínico Janeiro 2022

Júlia Sabino 1, Carla Oliveira 1, Mariana Brito 1, Sofia Antunes 2, Jorge Fonseca 2

1 – Serviço de Gastrenterologia Hospital Garcia de Orta - Almada

2 – Serviço de Anatomia Patológica Hospital Garcia de Orta - Almada

Doente de 53 anos, com antecedentes pessoais de HTA, sem hábitos alcoólicos ou tabágicos e sem história de imunossupressão. Por quadro clínico com uma semana de evolução de dor na fossa ilíaca direita, de agravamento progressivo, associada a anorexia, náuseas e vómitos pós prandiais, sem fatores de alívio.

Realizou tomografia axial computorizada que revelou ligeiro espessamento parietal do cego, associando-se a discreta densificação da gordura pericólica e proeminência ganglionar ileocólica. Nesse contexto, realizou endoscopia digestiva baixa onde se observou mucosa ileal sem lesões e mucosa do cego e da vávula ileo-cecal de aspecto ulcerado, espessado e friável, sem outras lesões do cólon.

Qual é o diagnóstico?

  Linfoma
  Doença de Crohn
  Adenocarcinoma
  Colite infeciosa

Já foi submetida uma resposta com este email.

É o proprietário do email e não submeteu resposta? contacte-nos


É o proprietário email e não submeteu resposta? contacte-nos.

  • Caso Clínico Janeiro 2022

  • Caso Clínico Janeiro 2022

  • Caso Clínico Janeiro 2022

  • Caso Clínico Janeiro 2022


voltar